SOBRE ESQUECIDOS, INVISÍVEIS E TEMIDOS: O QUE SABEMOS SOBRE A POPULAÇÃO CARCERÁRIA NO BRASIL?

Período:

2017 - atual

Descrição:

O objetivo primordial deste estudo é mapear as fontes de dados disponíveis sobre a população carcerária atentando para os seus limites e potencialidades. Embora as informações sobre este segmento populacional sejam em grande medida fragmentadas, pretendemos explorar em especial os recursos de quatro fontes de dados: InfoPen (Ministério da Justiça); Dataprev (Ministério da Previdência Social); os microdados do censo demográfico 2010 (IBGE) e os microdados do Estudio comparativo de la población carcelaria de 2013 (PNUD) levado a campo em seis países: Brasil, Argentina, Chile, Peru, El Salvador e México. Pretende-se com este trabalho avaliar a qualidade dos dados e sistematizar a informação disponível sobre a população carcerária: suas características e seu crescimento ao logo do tempo; gastos previdenciários destinados ao auxílio reclusão; distribuição espacial dos detentos; impacto da estrutura etária nos diferenciais existentes entre taxas de encarceramento de unidades federativas ou de distintos subgrupos populacionais baseado em critérios como cor, nível educacional e religião.

Coordenador(a):

Joice Melo Vieira

Financiador:

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq