SOBRE ESQUECIDOS, INVISÍVEIS E TEMIDOS: O QUE SABEMOS SOBRE A POPULAÇÃO CARCERÁRIA NO BRASIL?

Período:

2017 - 2020

Descrição:

Entre 1980 e 2000, a Taxa de Fecundidade Total (TFT) brasileira experimentou uma importante queda, mas a Taxa Específica de Fecundidade (TEF) das mulheres de 15 a 19 anos continuou subindo, fazendo com que o peso da fecundidade na adolescência em relação à fecundidade total aumentasse nas últimas duas décadas do século passado. Somente em 2010 foi observada uma queda na TEF das mulheres entre 15 e 19 anos, o que não reduz a relevância do tema na agenda acadêmica e das políticas sociais, sobretudo pelos possíveis impactos que ter tido filho(a) na adolescência pode ter no futuro dessas mulheres. O objetivo central deste projeto é investigar como mulheres de 30 a 39 anos, que foram mães na adolescência, percebem a relação da fecundidade na adolescência com suas trajetórias de vida. Mais especificamente, este estudo pretende investigar como tais mulheres percebem o efeito que a fecundidade na adolescência teve em suas vidas no que tange às relações familiares, à escolaridade, à inserção no mercado de trabalho, ao estabelecimento de vínculos afetivos com um parceiro ou parceira e à formação de família. Para atingir o objetivo proposto, o estudo lançará mão de uma técnica qualitativa de pesquisa, a entrevista semiestruturada, na perspectiva de curso de vida. Serão entrevistadas 90 mulheres, 15 residentes em cada um dos seis municípios (Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Curitiba, Natal e Rio de Janeiro), 5 em cada nível educacional (até fundamental completo, médio incompleto ou completo, superior incompleto e mais). A expectativa é de que os resultados do projeto possam contribuir para ampliar a compreensão de questões relacionadas à fecundidade na adolescência, particularmente aquelas relacionadas ao efeito que a gravidez e o nascimento de um filho exercem nas trajetórias de vida das mulheres, bem como informar às e aos adolescentes sobre possíveis consequências desse evento demográfico. Embora exista um número expressivo de trabalhos que analisam a questão, poucos são os que abordam as percepções de mulheres de diferentes localidades e inseridas em diferentes realidades, tendo experimentado tal evento já há algum tempo, e menos ainda são os que se propõe a informar diretamente a população-alvo da pesquisa sobre os seus resultados. Assim, os resultados deste estudo podem fornecer subsídios importantes para gestores, pesquisadores e adolescentes preocupados com a dimensão da fecundidade na adolescência e com os possíveis efeitos que esse evento pode ter nas trajetórias educacionais, de trabalho, formação de família e relacionamentos futuros das mulheres.

Coordenador(a):

Joice Melo Vieira

Financiador:

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq